top of page
Faixa blog livros.png
Buscar

Processo que utiliza microalgas transforma resíduos em biomassa para vários usos

Uma tecnologia desenvolvida na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) em parceria com o Instituto Nacional de Tecnologia (INT), que acaba de ter patente registrada, pode transformar resíduos industriais e esgoto em biomassa para utilização no agronegócio, na produção de tintas e plástico biodegradável, entre outros. A novidade do processo é a aclimatação da microalga spirulina platensis, que passou a ter capacidade de se adaptar a concentrações crescentes de nitrogênio amoniacal.


Sob orientação da professora do Instituto de Química da Uerj Mônica Calderari e da química do Instituto Nacional de Tecnologia Claudia Teixeira, a doutora em Química Ambiental (Uerj e INT) Camylle Scheliga espera aprimorar a tecnologia para ser utilizada em larga escala. Ela explica que o estudo é importante para evitar a eutrofização dos corpos d’água, processo decorrente da acumulação excessiva de matéria orgânica provinda dos esgotos, que promove a proliferação de plantas aquáticas (como gigogas) e a consequente diminuição do oxigênio, aumento do nitrogênio amoniacal, mau cheiro, e aspecto turvo à água. Camylle está preocupada com o futuro do planeta, com as mais de 700 zonas mortas em ambientes aquáticos existentes no mundo, nas quais grandes extensões de água com pouco ou nenhum oxigênio impedem a sobrevivência dos organismos.


Os métodos tradicionais de tratamento de efluentes geralmente utilizam compostos químicos, segundo a pesquisadora, bastante poluentes. Os processos biológicos que se valem de microrganismos, geralmente são lentos e bastante complexos, pois transformam o nitrogênio amoniacal em outras formas de nitrogênio, não garantindo qualidade na biomassa resultante, que acaba por não possuir valor comercial. “Além disso, demoram de 30 a 200 dias para serem concluídos, enquanto o processo com microalgas é feito em oito dias”, esclarece Camylle.


A microalga é capaz de se multiplicar rapidamente em meio líquido, liberando oxigênio a partir da fotossíntese e produzindo biomassa. A professora Monica Calderari, orientadora do estudo, explica que o principal entrave ao processo era descobrir como impedir que o nitrogênio amoniacal não afetasse a capacidade da microalga de realizar a fotossíntese, o que pode dizimá-las. Foi Camylle que sugeriu as experiências com glicerol bruto, um subproduto da agroindústria de biodiesel que também necessita de destinação correta. Além de ter baixo custo, o glicerol ativa as vias alternativas da microalga, que passa a depender menos da fotossíntese para sobreviver. Dessa forma, a tecnologia se vale de outra fonte orgânica e ainda contribui para resolver o problema de descarte decorrente da produção de biodiesel.


Leia matéria completa em: https://www.faperj.br/?id=356.7.8


41 visualizações0 comentário

Comments


1.png
2.png
4.png
5.png

Consultoria em Redução de Custos e Reúso Agrícola de Lodos

bottom of page